Pequenos Prazeres Diários


Este post foi pensado para aqueles dias em que a gente precisa de uma motivação extra e nem precisa ser nada grandioso. Às vezes a gente esquece de enxergar beleza nas pequenas coisas e hábitos que fazem uma grande diferença na nossa forma de lidar com tudo. Comecei essa lista sozinha, mas algumas coisas foram ideias que surgiram num box de perguntas que lancei nos meus stories, no Instagram (aqui). Vamos lá!
☆ Deitar para dormir depois de um dia produtivo (e cansativo)
☆ A sensação de pós-banho
☆ Uma mensagem da pessoa que eu gosto
☆ Concluir uma tarefa chata
☆ Tocar ukulele porque deu vontade
☆ Assistir um episódio da minha série favorita comendo algo gostoso
☆ Work place limpo, arrumado e cheiroso
☆ O primeiro gole da minha bebida favorita
☆ Concluir a leitura de um livro
☆ Parar para observar o céu
☆ Uma playlist com músicas gostosinhas (aqui) tocando baixinho enquanto eu trabalho
☆ Descobrir finalmente o nome “daquela” música
☆ Prestar atenção no silêncio entre as coisas
☆ Estar perto (não precisa ser fisicamente) de quem é importante pra mim
☆ Terminar o dia sabendo que fiz algo pra cuidar de mim mesma (beber muita água, meditar, skincare…)
Fiz uma lista com 15 coisas simples que cabem na minha rotina, mas é claro que nem todo mundo tem a vida igual a minha, mas é possível pra você encontrar algum prazer nas coisas do seu dia a dia. ♡
Pensa aí e conta pra mim, quais são seus pequenos prazeres diários? 
• • •

Follow Me:
YouTube | Instagram | Spotify

Deixe seu comentário

Advertisements

Por que não parei de blogar (ainda)


A gente se divide em tantos micro espaços nessa internet de meu Deus e faz textão para tantas redes sociais diferentes que até se perde um pouco da ideia de que existem blogs e que eles são muito úteis na manutenção e no compartilhamento de ideias. No meu caso, eu sempre gostei mesmo de ter todas as coisas que gosto e sei fazer reunidas num lugar só. Quer dizer, antes disso (muito antes disso, quando eu tinha uns treze anos), eu só realmente gostava da ideia de ter um diário online. Muito depois é que eu percebi que dava para usar o blog de outras maneiras e aqui estamos.
Escrever é uma espécie de terapia para mim. E no meio de tanta mensagem, de tanta guerra, de tanta coisa que parece boa mas não é, eu só quero preservar um espaço em que eu veja as coisas que gosto e que consegui cultivar de bom dentro de mim. Mesmo com todo estímulo externo vindo de outros lugares e redes. Além disso, o blog é o filtro que traz só quem está na mesma vibração que você e não foi totalmente engolido pela realidade paralela das redes sociais.
Aqui é a minha linguagem que eu compartilho. Sem hashtags, sem muitos aparatos para chamar a atenção de quem está lendo. É a maneira mais crua, sincera e direta que eu compartilho meus pensamentos, meus gostos, meus sentimentos. Gosto de olhar meu blog como um portfólio das minhas habilidades criativas. Ah, e é claro, eu gosto de pensar que me expresso com mais facilidade escrevendo do que falando. E escrever para o blog não me desanima o tanto que manter um canal no YouTube me desanima de vez em quando. Especialmente porque aqui eu não me frustro se ninguém me dá um pingo de atenção. Escrever é uma coisa natural para mim. Diferente de produzir um vídeo cheio de “frufru” e ele flopar.
Acho que me desprender da ideia de “ter que” publicar no blog me trouxe a liberdade de poder escrever independente da audiência. O que mais importa não é quem está lendo ou quantas pessoas estão lendo, mas a possibilidade de poder ser exatamente quem eu quero ser me comunicando e fazer isso por prazer. Sem tentar agradar, sem produzir um conteúdo que me deixe desconfortável por achar que assim mais pessoas vão consumir. A minha intenção é levar essa mesma ideia para as outras plataformas. Mas confesso que as redes sociais cheias de preguiça, pouquíssima empatia, informações mastigadas e expectativas que esperam que você corresponda, me desanimam um bocado. Parece que ninguém considera que você tem uma mensagem e um jeito só seu de comunicar essa mensagem.
Ao mesmo tempo, eu sempre acreditei e continuo acreditando que independente do seu jeito, quem é da sua tribo eventualmente vai te achar. E é por isso que eu mantenho meu blog no ar. Porque não sei não escrever, não sei não ser eu e preciso de um pedacinho de terra nesse planeta louco chamado internet para dizer quem eu sou e mostrar o que eu sei fazer. Mesmo que só alguns gatos pingados se deem o trabalho de interagir com este conteúdo. Vale a pena para mim. ♡
• • •

Follow Me:
YouTube | Instagram | Spotify

Deixe seu comentário

PLAYLIST | Minhas Inspirações

Photo by Annie Theby on Unsplash

Minha melhor amiga me diz que eu tenho playlist pra tudo. E é mais ou menos assim mesmo, porém poucas realmente crescem (em número de músicas) ou duram o suficiente pra eu compartilhar por aqui (eu acabo apagando quando eventualmente faço uma limpeza na minha conta). Eu confesso que (apesar de não ser exatamente estranho ou mesmo uma novidade) crio playlists pra mim mesma, baseada em dias ou sentimentos que tenho e acredito que tudo fica mais legal com trilha sonora. 
 
Considerando a minha relação com a música, é claro que eu tinha que ter uma playlist só de referências, inspirações, coisas que soam como o meu estilo e coisas soam como eu gostaria de soar enquanto compositora. Então, taí! Uma provinha das melodias que passeiam pela minha cabeça enquanto eu tento musicar a minha vida, dar um som e uma palavra pro que eu sinto e pro que eu vejo.
 
Bem, e pra todos os efeitos, você pode tirar suas próprias conclusões sobre como essas músicas me influenciam ouvindo meu EP que está disponível nas plataformas digitais e você pode escolher a sua favorita pra ouvir clicando aqui.

INSTAGRAM | Feed Organizado

Eu nunca imaginei que eu fosse a pessoa que um dia organizaria o feed do Instagram por cores. Achava lindo, porém trabalhoso e nem achava tão legal assim porque é meio difícil contar uma história fluida com um padrão de fotos (continuo achando isso). Mas queria dar uma movimentada no meu Instagram que tava meio apagado e tive uma ideia repentina de fazer um feed trabalhado em vermelho e rosa. Tive várias ideias, comprei alguns itens que poderiam ajudar e pesquisei muito, especialmente edições que ficariam legais. Vou destrinchar em alguns itens pra explicar melhor e pra te ajudar se você quiser fazer isso também.

ESCOLHA DAS CORES
Foi aleatório, na verdade. Pra ser muito sincera, rosa não é uma das minhas cores favoritas. Não sei se estou vendo muito rosa ultimamente, mas sei que a combinação de rosa e vermelho está em alta e eu acho que são duas cores que combinam bem. Pensei na quantidade de coisas vermelhas e rosas que eu tenho e decidi que seriam essas cores. Porém o rosa tem aparecido com muito mais frequência e o motivo disso é que eu não encontrei um tecido vermelho pra usar de fundo quando comprei os materiais.

REFERÊNCIAS/INSPIRAÇÃO
Pinterest do amor! Achei muitas referências e ideias de fotos, de composição, de edição. Fui testando tudo e encontrei muitas fotos lindas, que me deram ideias das poses, dos objetos que eu poderia usar nas fotos… Além disso, eu também fiz uma busca em hashtags relacionadas ao tema e procurei outros perfis do Instagram que também estivessem organizados por cor pra ter uma ideia de como fazer.

EDIÇÃO DAS FOTOS
Testei muita coisa no VSCO até achar algo que eu gostasse e deixasse as fotos num tom que me agradasse. Fiz as fotos em algumas etapas. Antes de realmente assumir o feed rosa, quase que eu desisti da ideia, até que aproveitei um dia e fiz praticamente todas as fotos. Como não consegui reproduzir a mesma iluminação, eu precisei tratar de um jeito diferente. Se parar pra reparar, algumas fotos estão com o fundo mais frio do que outras. Mas de uma forma geral, eu gostei do resultado.

MATERIAIS UTILIZADOS
O que eu comprei mesmo foi: dois metros de microfibra cor de rosa, dois sacos de bexigas pequenas de festa em formato de coração (brancas e rosas), duas folhas de eva (vermelha e rosa), cartolina vermelha (que ainda não usei) e um saco de pirulitos em formato de coração. O restante era coisa que eu já tinha em casa: livros, óculos de sol, máquina de escrever, meus ukuleles… Tudo o que eu acreditava que daria boas composições. Nas selfies tentei usar cores que ornassem com o tema e abusei do batom vermelho, obviamente!

Não sei como é a vida pós feed organizado por cor. Não sei se mudo as cores (mas não tanto – tenho algumas ideias em mente), não sei se largo isso pra lá e só volto a ter um Instagram normal ou se tento mesclar um feed bonito com um feed mais natural e pensado pra contar a minha história em vez de só ser algo visual. Era meio bizarro ter que compartilhar certas coisas sem bagunçar o feed e aí eu escrevia uma legenda nada a ver com a foto. O que vocês acham?

• • •

Follow Me:
YouTube | Instagram | Spotify

Deixe seu comentário

MÚSICA | Mulheres Que Me Inspiram

Olá! Aproveitando que ontem foi dia internacional da mulher, venho trazer uma ideia que já tinha comigo há bastante tempo e não tinha compartilhado ainda. Minha formação musical (ainda em construção) teve influência majoritária de mulheres desde que eu me entendo por gente. Muito por causa da identificação, é claro! E logo abaixo eu trago uma lista com 10 exemplos de mulheres incríveis que me inspiraram e inspiram até hoje. Já de antemão quero dizer que não tem ninguém muito fora dos holofotes nessa lista e que, sim, estou falando especificamente das minhas influências musicais.

SANDY
Culpo a Sandy até hoje pelo meu interesse pela música. Eu devia ter 6 anos de idade quando comecei a ouvir Sandy & Junior e foi a partir dali que eu quis carregar pra vida esse negócio de cantar. Quando eu era bem mais nova, me inspirava nela pra praticamente tudo na vida. Acho que a Sandy é o melhor exemplo de alguém que sempre esteve na música e sob os holofotes e não surtou com a pressão. Amo a arte dela, as letras dela falam demais comigo e um dos maiores sonhos da minha vida é conhecer essa mulher!

SPICE GIRLS
Lembro de ser muito criança e brincar com uma amiga que a gente era as Spice Girls. Naquela época eu tinha muita dificuldade em aceitar que eu era mais parecida com a Mel B, porque eu queria ser a Emma. Anos mais tarde eu fui entender a importância de ter a Mel B com o black poderoso dela lá naquela época (demorei, mas entendi). E é louco demais ver o poder que as Spice Girls tinham na época que elas estouraram.

ROUGE
Outra influência musical super forte (quase tanto quanto Sandy & Junior). Assisti o programa Popstar e uma das primeiras músicas que cantei em público era delas. Cansei de me apresentar com as amigas na escola dançando músicas do grupo e quase não dou conta da felicidade e orgulho que eu sinto por ver como elas estão arrasando agora que voltaram.

AVRIL LAVIGNE
Comecei a aprender e a me interessar por aprender inglês na época de Sk8er Boy e daí por diante eu não parei mais. Adorava o estilo da Avril! Amava as roupas, o olho super preto, as gravatas e as calças largas. Mas também amei depois que ela mudou de estilo e começou a usar mais rosa. Ainda quero demais ir a um show dela (coisa que ainda não rolou, mas seguimos tendo esperança).

PITTY
Foi quando eu comecei a querer virar roqueira (sim, eu tive essa fase). Descobri pelo meu irmão e me encantei com um mundo de músicas que não falavam de amor. Foi o que mais me chamou atenção naquela época e também foi quando minha escrita ganhou muito mais sentido e possibilidades. Também foi a época em que eu comecei a tocar violão e a cantar numa banda. Então, a Pitty foi a girl power que me deu mais power na fase de transição da infância pra adolescência.

LILY ALLEN
A voz doce e as letras ácidas conquistaram o meu coração. Acho genial como ela consegue dizer as coisas mais bruscas do mundo com cara de princesa e a voz mais suave da face da Terra. As melodias alegrinhas às vezes enganam demais e eu sempre amei isso no trabalho da Lily. Na lista das conquistas da minha vida está um show da Lily Allen (que já faz tanto tempo que nem me lembro em que ano foi – mas foi na época do It’s Not Me, It’s You).

DEMI LOVATO
Fato engraçado: uma vez eu machuquei o pescoço imitando as jogadas de cabelo dela na época do Here We Go Again. Foi um tempo depois que Camp Rock estourou que eu realmente foi ouvir e prestar atenção, mas desde que vi um vídeo ao vivo dela cantando La La Land, eu me apaixonei definitivamente. Acho que ela não tem o reconhecimento que merece como cantora. A voz e a técnica dela são as coisas mais impressionantes que eu já vi.

AMY WINEHOUSE
Amor da minha vida! Foi outra mulher que me ensinou que composições podem ser muito mais do que o óbvio, do que qualquer coisa que a gente já tenha escutado antes. Ela também me ensina até hoje muito sobre o amor (especialmente amor próprio), os limites que são importantes manter pra que as pessoas que a gente ama não sejam um problema na nossa vida e mais um monte de coisas. Queria muito ter sido amiga dela.

KATY PERRY
Amava as versões acústicas dela (lá do começo da carreira) e logo depois me apaixonei por toda estética que ela trazia. Os figurinos, os cenários, maquiagem, enfim tudo. Ela parece uma boneca e parece meiga, mas depois você vê que ela não é tão meiga assim, é super brincalhona e isso é maravilhoso. Já era apaixonada pelas músicas, pelo trabalho dela até ver o filme e me inspirar ainda mais na pessoa forte e decidida que ela é.


DODIE

Minha mais recente inspiração. Foi quando eu comecei a querer tocar ukulele que conheci o canal dela e PELAMOR DE DEUS, eu acho essa menina genial! Rainha da criatividade e dos vídeos mais fofos dessa internet de meu Deus. Não tem medo de dizer as verdades dela, é super transparente e sensível nas composições. Ai, só amor…


Eu tô com o coração na mão porque deixei várias de fora (Hayley Williams, Eliza Doolittle, Kate Nash, Sara Bareilles, todas as bandas femininas ou com vocal feminino que eu ouvi ao longo da vida, mas a lista já tá suficientemente grande), mas fica pra uma próxima!

Quais são as mulheres que mais inspiram vocês?
• • •
» Follow me «

SpotifyInstagram | YouTube

Deixe seu comentário

The Secret (Rhonda Bynes) – Citações

Herdei meu gosto por livros do gênero com a minha mãe. E apesar de saber que várias pessoas detestam autoajuda e afins (afinal a moda é ser rabugento, ostentar os problemas e odiar gente feliz), eu procuro viver bem dentro do meu corpo, aceitando a mim mesma e nutrindo coisas boas (e isso não quer dizer que eu não tenho meus dias ruins). Da mesma forma que a gente tenta tratar bem o corpo, a gente precisa avaliar melhor o que deixa entrar e ficar na nossa cabeça também. E O Segredo (compre agora) se trata disso. Para muito além de conquistar coisas sendo positivo e tendo uma boa vibração, acho que o essencial é a gente estar bem para poder lutar pelo que queremos sem pesos extras nas costas. Quanto mais foco, certeza e tranquilidade no coração, mais disposição a gente vai ter para ir atrás do que quer. Dito isso, vim trazer as citações mais legais que eu anotei e que me fizeram pensar enquanto estive lendo esse livro. Vamo lá?

“Se você pode pensar sobre o que quer e faz disso seu pensamento dominante, você trará isso para sua vida.”


“Antes de dormir, transforme seus pensamentos nos melhores possíveis.”


“Agarre-se a esses momentos em que você se sente bem e aproveite-os ao máximo. Tenha certeza de que, quando está se sentindo bem, você está atraindo poderosamente mais boas coisas para si.”


“Não há no Universo poder maior do que o poder do amor.”

“O Universo gosta de velocidade. Não demore. Não mude de ideia. Não duvide. Quando a oportunidade chegar, quando o impulso chegar, quando a cutucada intuitiva vinda de dentro chegar, aja. Essa é a sua tarefa. E isso é tudo o que você tem de fazer.”


“Quando você tem um pensamento inspirado, tem de confiar e agir de acordo com ele.”


“Sem que você se torne pleno, não terá nada a dar a alguém. Portanto, é imperativo que você primeiramente cuide de si. Primeiramente, garanta sua satisfação.”


“Aprenda a ficar sereno e a desviar sua atenção daquilo que não deseja e de toda a carga emocional que cerca estas coisas, desloque a atenção para o que você deseja vivenciar… A energia flui para onde a atenção se dirige.”

Além das citações do livro que eu anotei por toda parte, ainda comecei a seguir o Instagram e o Twitter correspondentes ao livro e diariamente várias afirmações aparecem pra fazer pensar e tal. E eu tenho complementado isso tudo procurando canais que falem mais sobre a lei da atração e tudo mais. Me ajuda a ter uma perspectiva bem mais positiva sobre a vida e a minha responsabilidade nela. Daí pensei em trazer cá pro blog e por que não, né mesmo? Então, é isso! Espero que faça sentido pra vocês tanto quanto faz pra mim. ♡

• • •
Follow Me:
YouTube | Instagram | Spotify

Deixe seu comentário

UKULELE | Músicas Que Me Inspiraram

Faz pouco mais de três anos que comecei a tocar ukulele, mas meu interesse surgiu algum tempo antes de eu ganhar meu primeiro (você pode ver os dois que tenho clicado AQUI). O engraçado é que quando a gente fica desejando muito uma coisa, em todo lugar que a gente vai (sem contar a internet porque não vale, eles sempre nos enchem daquilo que a gente pesquisa) essa coisa parece que nos acha. Eu via ukulele em tudo e fazia todo mundo ver também o tanto que tinha tudo a ver comigo.
Bom, e aí fui eu procurar inspiração, músicas que fossem tocadas no ukulele, artistas que tocavam e tudo mais. E de lá do começo, eu trouxe algumas músicas que super fizeram e fazem parte do meu relacionamento com o ukulele (aliás, você já viu o vídeo “Casar com um ukulele?” do Vinícius Vivas? – se não viu, clique AQUI).

Essa música eu descobri com o Shazam quando estava assistindo a algum filme que eu nunca mais me lembrei qual era. Reconheci o som do ukulele e achei a voz da Priscilla Ahn a coisa mais linda! Adoro essa música e vez ou outro ainda toco.

O que eu sei é que a Violetta participou do The Voice (acho que da Itália) e não lembro mesmo como foi que eu cheguei nessa música, mas acho ela tão legal! Esse clipe esteve aqui no blog antes, num post sobre videoclipes coloridos e eu já fiz um cover dessa música lá no canal e você pode ver clicando AQUI.

Zee Avi eu descobri graças à Ana Arantes (que também toca ukulele) e é uma das músicas que eu mais gosto de tocar até hoje. É minha música de passar som, de testar ukulele, de qualquer coisa. Eu simplesmente amo o clima dessa música, a letra dela, enfim, tudo. Tem cover dela lá no canal também (AQUI).

O álbum da Paramore que tem essa música é o meu favorito. Tem três músicas tocadas com ukulele e essa foi uma das minhas favoritas na época que eu ainda não tinha um. Meu sonho era conseguir tocar essa música, porque eu achava incrível. Não sei por que nunca fiz um cover dessa música! Taí uma ideia…

Por fim, Title, que foi uma música que eu infelizmente me identifiquei por algum tempo (quem nunca?). Adoro esse estilo “pop meio retrô” (gostou? eu que inventei) do primeiro álbum da Meghan Trainor. Quando saiu All About That Bass eu fiquei louca. Mais ainda quando descobri que ela tocava ukulele! ♡
• • •
Follow Me:

Deixe seu comentário